| AtualidadesCentro de imprensa Novidades

Cooperação com a Technical University of Kenya: Estudantes africanos aprendem sobre sistemas de construção modernos com elementos de concreto pré-fabricados

A arquitetura moderna e novos sistemas de construção criam moradias acessíveis para muitas pessoas em África. Ao mesmo tempo, ela se tornará uma importante máquina geradora de trabalho, em muitos países. Para este fim, o especialista alemão em instalações de concreto, a Vollert, está iniciando atualmente uma cooperação com a Universidade Técnica do Quênia, em Nairóbi.

A indústria da construção em África está em plena expansão. A força motriz do lado da procura é o rápido crescimento da população, com a sua classe média em crescimento ainda mais rápido, cuja demanda por moradia ainda está longe de ser atendida. Entretanto, cerca de 75% da população continua vivendo em cabanas simples e nas favelas urbanas de crescimento desproporcionalmente rápido. "Espaço de vida acessível - de alta qualidade -, sustentável e em construção ambientalmente correta. Este é o nosso objetivo comum para a África", diz Christoph Müller-Bernhardt, experiente especialista em África, e Diretor Executivo de Vendas África do fabricante alemão Vollert.

Solução para a falta de habitações e problemas de qualidade na construção

São necessários novos sistemas de construção para fechar a grande lacuna entre a oferta e a procura. "Os elementos pré-fabricados de concreto são usados atualmente para construir atraentes casas unifamiliares, modernos complexos residenciais e de escritórios, shopping centers, hospitais e escolas, em todo o mundo", relata Müller-Bernhardt. Graças aos processos de pré-fabricação industrializados, este método de construção permite minimizar defeitos frequentes e trabalhar com investimentos significativamente menores. O mais importante ainda, é que encurta consideravelmente o tempo de construção. "Além disso, a pegada de CO2 é reduzida em 25% e as matérias-primas, o consumo de água e o uso de concreto são reduzidos em até 50%. Os novos edifícios residenciais têm excelente desempenho térmico, são resistentes ao tempo e ao fogo e até mesmo à prova de terremotos", afirma Malei Nthiwa da Bola Associates, uma das principais construtoras de edifícios do Quénia. A África está atualmente dando grandes passos para introduzir este padrão global na tecnologia da construção. "Alojamento para todos": Quênia, por exemplo, quer construir 500.000 edifícios residenciais até 2022.

"A consciência de todos estes pontos e fatos tem crescido", descreve Müller-Bernhardt. "No entanto, ainda há falta de know-how sobre o sistema de construção e de empresas construtoras que estejam dispostas a investir em moderna tecnologia de instalações para a produção de elementos pré-fabricados de concreto". Hoje em dia, as soluções Start-up permitem a produção de paredes e de lajes pré-fabricadas, mesmo com baixos orçamentos de investimento. E a tecnologia 'Made in Germany' já não é uma visão de futuro.

"Orgulhosamente feito em África para a África": Treinamento e transferência de know-how são cruciais

"Antes de mais nada, gostaríamos de transmitir a nossa competência e experiência, à indústria da construção, no maior número possível de regiões da África", afirma Müller-Bernhardt. Engenheiros civis bem treinados e programas especiais de treinamento são fundamentais. "Juntamente com a Universidade Técnica do Quénia em Nairóbi, estamos elaborando atualmente um conceito para introduzir, já numa fase inicial, os estudantes e futuros jovens engenheiros civis, no novo método de construção", diz Björn Brandt, membro do conselho de administração da Vollert. No início de novembro houve um primeiro intercâmbio com representantes das faculdades individuais. Neste contexto, a universidade não só recebeu um extenso material e informações sobre o método de construção, mas também houve uma primeira rodada de perguntas e discussões diretas com os alunos. "É realmente impressionante como os jovens abordaram o assunto com avidez de conhecimento. Já nos primeiros minutos, os alunos puderam constatar as muitas vantagens do novo método de construção, com exemplos práticos", diz o professor Francis O. Aduol, Reitor da Universidade Técnica do Quênia. "Estamos muito ansiosos para continuar a cooperação com a Vollert. Estou convencido de que esta nova geração de licenciados da nossa universidade mudará a indústria da construção no Quénia".